PCS JÁ

PCS JÁ



    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    LAW-SC
    LAW-SC
    Usuário Sênior
    Usuário Sênior

    Mensagens : 348
    Reputação : 19
    Data de inscrição : 17/09/2013

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por LAW-SC Sex 24 Jul 2015, 6:39 pm

    eder.lima escreveu:
    Subsidiado escreveu:CARTA ABERTA AO MINISTRO PRESIDENTE DO STF

    Caro colega de magistratura,
    Excelentíssimo Ministro Ricardo Lewandowski,

    Dirijo-me a V.Ex.a, na qualidade de juiz federal premiado por produtividade – e que sabe que sem os servidores não existe Judiciário, nem justiça – e, também, na qualidade de cidadão e de professor de Direito Constitucional, para me colocar contra a atitude de V.Ex.a, expressa na nota publicada no portal eletrônico do STF, com o seguinte teor:

    Considerando o veto da Excelentíssima Senhora Presidente da República ao PLC nº 28/2015, publicado no Diário Oficial desta data, levo ao conhecimento dos servidores do Poder Judiciário da União que, firme em meus propósitos de valorização da categoria, determinei aos nossos técnicos a retomada de negociações com o Ministério do Planejamento, buscando construir uma solução que permita recompor a sua remuneração, em bases dignas, mas condizentes com a atual realidade econômica do País.

    Perdoe-me, mas se V.Ex.a quer estar firme em seus propósitos de valorização da categoria, a solução não é procurar os técnicos para que retomem as negociações com o Ministério do Planejamento.

    Não podemos admitir que trabalhadores (e nossos servidores também o são) não tenham data-base e que não seja respeitado em relação a eles o disposto no art. 37, X, da Constituição Federal – que lhes assegura, entre outros, a revisão remuneratória anual, sempre na mesma data, sem distinção de índices.

    Se atualmente há uma defasagem salarial de 56%, é porque o último reajuste ocorreu com a Lei nº 11.146, de 2006 (PCS III), que recompôs parte da discrepância existente à época, em 4 (quatro) parcelas espaçadas entre os anos de 2007 e 2008. Desde então, não houve qualquer reajuste, diversamente do que ocorreu com outras categorias do funcionalismo, que tiveram seus salários reajustados no período de 2009 a 2012.

    A dimensão do reajuste concedido pelo Congresso revela nossa falha como gestores de um Poder, nosso erro em deixar os servidores tantos anos sem revisões salariais. Por sinal, agradeço o indispensável empenho de V.Ex.a. para que o reajuste dos magistrados tenha ocorrido. No entanto, sinto-me profundamente desconfortável em recebê-lo enquanto toda minha equipe fica à míngua.

    O PLC 28/2015 recompõe os vencimentos dos servidores gradativamente, em seis parcelas espaçadas entre julho de 2015 e dezembro de 2017. O índice de 78%, que vem sendo alardeado como “não condizente com a atual realidade econômica do País”, alvo dos petardos da grande mídia e mote da Presidente da República para sentir-se à vontade ao anunciar o seu veto, diz respeito, na verdade, somente aos “Auxiliares Judiciários”. Os suntuosos 78% serão concedidos a menos de uma dúzia de servidores que fazem parte de um cargo flagrantemente em extinção.

    Os servidores do Poder Judiciário da União não podem pagar a conta do ajuste fiscal. Não se trata de aumento real, e sim de reposição da inflação, considerando todos esses anos sem reajuste. Além disso, a conta não é do tamanho divulgado pela imprensa, que sequer levou em consideração a Nota Técnica do STF.

    Excelência, a Presidente da República desprezou essa Nota Técnica, a qual revela o real montante do reajuste. Não prestigie o veto que desprestigia V.Ex.a!

    O Poder Judiciário precisa ser liderado por V. Ex.a também no que diz respeito aos seus servidores, sob pena de torná-lo mero apêndice, servil e tíbio, do Poder Executivo. Não é a hipótese de se delegar a técnicos do Ministério do Planejamento a responsabilidade de recomeçar do zero e conduzir negociação, cientes de que sempre ofereceram percentuais irrisórios. Sentar novamente com técnicos do Poder Executivo é prestigiar o veto e não o Congresso Nacional que, por ampla maioria, aprovou o PLC 28/2015.

    A constante e renovada falta de tratamento condigno para com os nossos servidores poderá ter consequências gravíssimas para o próprio Poder Judiciário da União e para o País. Não podemos nos omitir, calar ou acovardar em momento tão sério. A perda da liderança do STF, neste momento, fará com que todo o Judiciário perca a confiança na Corte Suprema e, pior, levará o comando do assunto para níveis hierárquicos inferiores.

    Órfãos de liderança que exerça o papel de proteger o mínimo de justiça e o art. 37, X, da Constituição Federal, restará aos servidores do PJU apenas o recurso último dos trabalhadores: uma greve, que será tão moral e legítima quanto é imoral e injusto o veto presidencial. Após sete anos de reajustes na energia elétrica, gás, alimentos, escolas, planos de saúde etc., não teremos autoridade moral para nos opormos a uma greve profunda e definitiva dos servidores do Poder Judiciário da União.

    Não se pode admitir que o Poder Executivo pise nos servidores, os mesmos que processaram o “Mensalão”, a “Lava Jato”, as execuções fiscais e a defesa da Constituição para toda a sociedade.

    O que esperamos, todos, de V.Ex.a, é uma atitude firme, republicana, garantidora da Constituição Federal e da independência do Poder Judiciário. Esperamos de V.Ex.a que lute conosco junto ao Congresso para que o veto ao PLC 28/2015 seja derrubado.

    Clamo a V.Ex.a que não abandone os seus e os meus servidores ao relento, que prestigie o Congresso e que nos lidere neste momento.

    Atenciosamente,
    William Douglas, juiz federal, servidor público.

    São atitudes assim, que me dão um soslaio de esperança. É uma pena que o sentimento desse nobre magistrado não reflita o sentimento da maioria dos togados. De todo o modo, o judiciário brasileiro está cambaleando por causa de suas cabeças podres, magistrados que entram pelo famigerado quinto constitucional e são uma VERGONHA pra nossa justiça!
    like like like like like like like like like like like like like like like like like like

    vaoms replicar esse texto aos quatro cantos do país!!

    O Lewa vai ler sim! 

    Se fosse de um "peão" não, mas como é de um "par" aí negócio é diferente....

    Bem que a casa grande podia ser presidida por ele neh....aí a senzala seria mais reconhecida  mercury mercury
    Impaler
    Impaler
    Usuário Júnior
    Usuário Júnior

    Cargo : TJAA
    Mensagens : 135
    Reputação : 11
    Data de inscrição : 23/05/2012

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Impaler Sex 24 Jul 2015, 6:40 pm

    Grande William Douglas, não esperava outra atitude dele. Parabéns!

    Oi escreveu:
    Subsidiado escreveu:CARTA ABERTA AO MINISTRO PRESIDENTE DO STF

    Caro colega de magistratura,
    Excelentíssimo Ministro Ricardo Lewandowski,

    Dirijo-me a V.Ex.a, na qualidade de juiz federal premiado por produtividade – e que sabe que sem os servidores não existe Judiciário, nem justiça – e, também, na qualidade de cidadão e de professor de Direito Constitucional, para me colocar contra a atitude de V.Ex.a, expressa na nota publicada no portal eletrônico do STF, com o seguinte teor:

    Considerando o veto da Excelentíssima Senhora Presidente da República ao PLC nº 28/2015, publicado no Diário Oficial desta data, levo ao conhecimento dos servidores do Poder Judiciário da União que, firme em meus propósitos de valorização da categoria, determinei aos nossos técnicos a retomada de negociações com o Ministério do Planejamento, buscando construir uma solução que permita recompor a sua remuneração, em bases dignas, mas condizentes com a atual realidade econômica do País.

    Perdoe-me, mas se V.Ex.a quer estar firme em seus propósitos de valorização da categoria, a solução não é procurar os técnicos para que retomem as negociações com o Ministério do Planejamento.

    Não podemos admitir que trabalhadores (e nossos servidores também o são) não tenham data-base e que não seja respeitado em relação a eles o disposto no art. 37, X, da Constituição Federal – que lhes assegura, entre outros, a revisão remuneratória anual, sempre na mesma data, sem distinção de índices.

    Se atualmente há uma defasagem salarial de 56%, é porque o último reajuste ocorreu com a Lei nº 11.146, de 2006 (PCS III), que recompôs parte da discrepância existente à época, em 4 (quatro) parcelas espaçadas entre os anos de 2007 e 2008. Desde então, não houve qualquer reajuste, diversamente do que ocorreu com outras categorias do funcionalismo, que tiveram seus salários reajustados no período de 2009 a 2012.

    A dimensão do reajuste concedido pelo Congresso revela nossa falha como gestores de um Poder, nosso erro em deixar os servidores tantos anos sem revisões salariais. Por sinal, agradeço o indispensável empenho de V.Ex.a. para que o reajuste dos magistrados tenha ocorrido. No entanto, sinto-me profundamente desconfortável em recebê-lo enquanto toda minha equipe fica à míngua.

    O PLC 28/2015 recompõe os vencimentos dos servidores gradativamente, em seis parcelas espaçadas entre julho de 2015 e dezembro de 2017. O índice de 78%, que vem sendo alardeado como “não condizente com a atual realidade econômica do País”, alvo dos petardos da grande mídia e mote da Presidente da República para sentir-se à vontade ao anunciar o seu veto, diz respeito, na verdade, somente aos “Auxiliares Judiciários”. Os suntuosos 78% serão concedidos a menos de uma dúzia de servidores que fazem parte de um cargo flagrantemente em extinção.

    Os servidores do Poder Judiciário da União não podem pagar a conta do ajuste fiscal. Não se trata de aumento real, e sim de reposição da inflação, considerando todos esses anos sem reajuste. Além disso, a conta não é do tamanho divulgado pela imprensa, que sequer levou em consideração a Nota Técnica do STF.

    Excelência, a Presidente da República desprezou essa Nota Técnica, a qual revela o real montante do reajuste. Não prestigie o veto que desprestigia V.Ex.a!

    O Poder Judiciário precisa ser liderado por V. Ex.a também no que diz respeito aos seus servidores, sob pena de torná-lo mero apêndice, servil e tíbio, do Poder Executivo. Não é a hipótese de se delegar a técnicos do Ministério do Planejamento a responsabilidade de recomeçar do zero e conduzir negociação, cientes de que sempre ofereceram percentuais irrisórios. Sentar novamente com técnicos do Poder Executivo é prestigiar o veto e não o Congresso Nacional que, por ampla maioria, aprovou o PLC 28/2015.

    A constante e renovada falta de tratamento condigno para com os nossos servidores poderá ter consequências gravíssimas para o próprio Poder Judiciário da União e para o País. Não podemos nos omitir, calar ou acovardar em momento tão sério. A perda da liderança do STF, neste momento, fará com que todo o Judiciário perca a confiança na Corte Suprema e, pior, levará o comando do assunto para níveis hierárquicos inferiores.

    Órfãos de liderança que exerça o papel de proteger o mínimo de justiça e o art. 37, X, da Constituição Federal, restará aos servidores do PJU apenas o recurso último dos trabalhadores: uma greve, que será tão moral e legítima quanto é imoral e injusto o veto presidencial. Após sete anos de reajustes na energia elétrica, gás, alimentos, escolas, planos de saúde etc., não teremos autoridade moral para nos opormos a uma greve profunda e definitiva dos servidores do Poder Judiciário da União.

    Não se pode admitir que o Poder Executivo pise nos servidores, os mesmos que processaram o “Mensalão”, a “Lava Jato”, as execuções fiscais e a defesa da Constituição para toda a sociedade.

    O que esperamos, todos, de V.Ex.a, é uma atitude firme, republicana, garantidora da Constituição Federal e da independência do Poder Judiciário. Esperamos de V.Ex.a que lute conosco junto ao Congresso para que o veto ao PLC 28/2015 seja derrubado.

    Clamo a V.Ex.a que não abandone os seus e os meus servidores ao relento, que prestigie o Congresso e que nos lidere neste momento.

    Atenciosamente,
    William Douglas, juiz federal, servidor público.

    Será se existe a mínima possibilidade de Lewando ter acesso a essa carta?
    avatar
    Convidado
    Convidado

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Convidado Sex 24 Jul 2015, 6:40 pm

    Subsidiado escreveu:CARTA ABERTA AO MINISTRO PRESIDENTE DO STF

    Caro colega de magistratura,
    Excelentíssimo Ministro Ricardo Lewandowski,

    Dirijo-me a V.Ex.a, na qualidade de juiz federal premiado por produtividade – e que sabe que sem os servidores não existe Judiciário, nem justiça – e, também, na qualidade de cidadão e de professor de Direito Constitucional, para me colocar contra a atitude de V.Ex.a, expressa na nota publicada no portal eletrônico do STF, com o seguinte teor:

    Considerando o veto da Excelentíssima Senhora Presidente da República ao PLC nº 28/2015, publicado no Diário Oficial desta data, levo ao conhecimento dos servidores do Poder Judiciário da União que, firme em meus propósitos de valorização da categoria, determinei aos nossos técnicos a retomada de negociações com o Ministério do Planejamento, buscando construir uma solução que permita recompor a sua remuneração, em bases dignas, mas condizentes com a atual realidade econômica do País.

    Perdoe-me, mas se V.Ex.a quer estar firme em seus propósitos de valorização da categoria, a solução não é procurar os técnicos para que retomem as negociações com o Ministério do Planejamento.

    Não podemos admitir que trabalhadores (e nossos servidores também o são) não tenham data-base e que não seja respeitado em relação a eles o disposto no art. 37, X, da Constituição Federal – que lhes assegura, entre outros, a revisão remuneratória anual, sempre na mesma data, sem distinção de índices.

    Se atualmente há uma defasagem salarial de 56%, é porque o último reajuste ocorreu com a Lei nº 11.146, de 2006 (PCS III), que recompôs parte da discrepância existente à época, em 4 (quatro) parcelas espaçadas entre os anos de 2007 e 2008. Desde então, não houve qualquer reajuste, diversamente do que ocorreu com outras categorias do funcionalismo, que tiveram seus salários reajustados no período de 2009 a 2012.

    A dimensão do reajuste concedido pelo Congresso revela nossa falha como gestores de um Poder, nosso erro em deixar os servidores tantos anos sem revisões salariais. Por sinal, agradeço o indispensável empenho de V.Ex.a. para que o reajuste dos magistrados tenha ocorrido. No entanto, sinto-me profundamente desconfortável em recebê-lo enquanto toda minha equipe fica à míngua.

    O PLC 28/2015 recompõe os vencimentos dos servidores gradativamente, em seis parcelas espaçadas entre julho de 2015 e dezembro de 2017. O índice de 78%, que vem sendo alardeado como “não condizente com a atual realidade econômica do País”, alvo dos petardos da grande mídia e mote da Presidente da República para sentir-se à vontade ao anunciar o seu veto, diz respeito, na verdade, somente aos “Auxiliares Judiciários”. Os suntuosos 78% serão concedidos a menos de uma dúzia de servidores que fazem parte de um cargo flagrantemente em extinção.

    Os servidores do Poder Judiciário da União não podem pagar a conta do ajuste fiscal. Não se trata de aumento real, e sim de reposição da inflação, considerando todos esses anos sem reajuste. Além disso, a conta não é do tamanho divulgado pela imprensa, que sequer levou em consideração a Nota Técnica do STF.

    Excelência, a Presidente da República desprezou essa Nota Técnica, a qual revela o real montante do reajuste. Não prestigie o veto que desprestigia V.Ex.a!

    O Poder Judiciário precisa ser liderado por V. Ex.a também no que diz respeito aos seus servidores, sob pena de torná-lo mero apêndice, servil e tíbio, do Poder Executivo. Não é a hipótese de se delegar a técnicos do Ministério do Planejamento a responsabilidade de recomeçar do zero e conduzir negociação, cientes de que sempre ofereceram percentuais irrisórios. Sentar novamente com técnicos do Poder Executivo é prestigiar o veto e não o Congresso Nacional que, por ampla maioria, aprovou o PLC 28/2015.

    A constante e renovada falta de tratamento condigno para com os nossos servidores poderá ter consequências gravíssimas para o próprio Poder Judiciário da União e para o País. Não podemos nos omitir, calar ou acovardar em momento tão sério. A perda da liderança do STF, neste momento, fará com que todo o Judiciário perca a confiança na Corte Suprema e, pior, levará o comando do assunto para níveis hierárquicos inferiores.

    Órfãos de liderança que exerça o papel de proteger o mínimo de justiça e o art. 37, X, da Constituição Federal, restará aos servidores do PJU apenas o recurso último dos trabalhadores: uma greve, que será tão moral e legítima quanto é imoral e injusto o veto presidencial. Após sete anos de reajustes na energia elétrica, gás, alimentos, escolas, planos de saúde etc., não teremos autoridade moral para nos opormos a uma greve profunda e definitiva dos servidores do Poder Judiciário da União.

    Não se pode admitir que o Poder Executivo pise nos servidores, os mesmos que processaram o “Mensalão”, a “Lava Jato”, as execuções fiscais e a defesa da Constituição para toda a sociedade.

    O que esperamos, todos, de V.Ex.a, é uma atitude firme, republicana, garantidora da Constituição Federal e da independência do Poder Judiciário. Esperamos de V.Ex.a que lute conosco junto ao Congresso para que o veto ao PLC 28/2015 seja derrubado.

    Clamo a V.Ex.a que não abandone os seus e os meus servidores ao relento, que prestigie o Congresso e que nos lidere neste momento.

    Atenciosamente,
    William Douglas, juiz federal, servidor público.


    ESSE SIM, ME REPRESENTA!!!
    LAW-SC
    LAW-SC
    Usuário Sênior
    Usuário Sênior

    Mensagens : 348
    Reputação : 19
    Data de inscrição : 17/09/2013

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por LAW-SC Sex 24 Jul 2015, 6:43 pm

    [Tens de ter uma conta e sessão iniciada para poderes visualizar este link]


    Vou mandar um email enaltecendo a atitude dele e agradecendo o inestimável apoio!!!
    Mojo Jojo
    Mojo Jojo
    Usuário Master
    Usuário Master

    Cargo : Jarbas
    Mensagens : 741
    Reputação : 21
    Data de inscrição : 30/03/2011
    Localização : Brasília

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Mojo Jojo Sex 24 Jul 2015, 6:50 pm

    LAW-SC escreveu:[Tens de ter uma conta e sessão iniciada para poderes visualizar este link]


    Vou mandar um email enaltecendo a atitude dele e agradecendo o inestimável apoio!!!

    Enviemos todos nós!
    MPF SP
    MPF SP
    Usuário VIP
    Usuário VIP

    Cargo : Analista Administrativo
    Mensagens : 2150
    Reputação : 218
    Data de inscrição : 17/09/2014
    Idade : 32
    Localização : São Paulo

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por MPF SP Sex 24 Jul 2015, 6:52 pm

    LAW-SC escreveu:[Tens de ter uma conta e sessão iniciada para poderes visualizar este link]


    Vou mandar um email enaltecendo a atitude dele e agradecendo o inestimável apoio!!!


    Ahhh se todo Juiz fosse assim, Wink
    Mojo Jojo
    Mojo Jojo
    Usuário Master
    Usuário Master

    Cargo : Jarbas
    Mensagens : 741
    Reputação : 21
    Data de inscrição : 30/03/2011
    Localização : Brasília

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Mojo Jojo Sex 24 Jul 2015, 6:54 pm

    MPF SP escreveu:
    LAW-SC escreveu:[Tens de ter uma conta e sessão iniciada para poderes visualizar este link]


    Vou mandar um email enaltecendo a atitude dele e agradecendo o inestimável apoio!!!


    Ahhh se todo Juiz fosse assim, Wink

    Seria pedir demais, rs
    Bastaria um e que ele se portasse como Chefe de Poder e não como Procurador-Chefe de Secretaria do Executivo.
    Truta do Policarpo
    Truta do Policarpo
    Usuário Master
    Usuário Master

    Mensagens : 588
    Reputação : 41
    Data de inscrição : 18/08/2011

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Truta do Policarpo Sex 24 Jul 2015, 7:01 pm

    O Ministro não vai ler a missiva porque o Doutor vai rasgá-la, antes.
    Sejamos sensatos.
    Ninguém pode nos ajudar, no momento. O Ministro Ricardo não leria nem mesmo uma carta vinda de Jesus Cristo.
    Só nos resta lutar pela derrubada do veto.
    Carta eu só aceito as de crédito.
    O BRASIL É NOSSO
    O BRASIL É NOSSO
    Usuário Júnior
    Usuário Júnior

    Mensagens : 185
    Reputação : 1
    Data de inscrição : 29/09/2014

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por O BRASIL É NOSSO Sex 24 Jul 2015, 7:02 pm

    Email encaminhado

    Prezado,

    Parabéns pela iniciativa.
    Sou servidor do Judiciário e pelo caminho até a vitória da aprovação trocamos algumas experiências (palestras, aulas e livros).
    O Judiciário Federal somos todos nós.
    Grande abraço
    servidor.tre
    servidor.tre
    Usuário Especial
    Usuário Especial

    Mensagens : 1304
    Reputação : 38
    Data de inscrição : 30/10/2012

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por servidor.tre Sex 24 Jul 2015, 7:03 pm

    eder.lima escreveu:
    Subsidiado escreveu:CARTA ABERTA AO MINISTRO PRESIDENTE DO STF

    Caro colega de magistratura,
    Excelentíssimo Ministro Ricardo Lewandowski,

    Dirijo-me a V.Ex.a, na qualidade de juiz federal premiado por produtividade – e que sabe que sem os servidores não existe Judiciário, nem justiça – e, também, na qualidade de cidadão e de professor de Direito Constitucional, para me colocar contra a atitude de V.Ex.a, expressa na nota publicada no portal eletrônico do STF, com o seguinte teor:

    Considerando o veto da Excelentíssima Senhora Presidente da República ao PLC nº 28/2015, publicado no Diário Oficial desta data, levo ao conhecimento dos servidores do Poder Judiciário da União que, firme em meus propósitos de valorização da categoria, determinei aos nossos técnicos a retomada de negociações com o Ministério do Planejamento, buscando construir uma solução que permita recompor a sua remuneração, em bases dignas, mas condizentes com a atual realidade econômica do País.

    Perdoe-me, mas se V.Ex.a quer estar firme em seus propósitos de valorização da categoria, a solução não é procurar os técnicos para que retomem as negociações com o Ministério do Planejamento.

    Não podemos admitir que trabalhadores (e nossos servidores também o são) não tenham data-base e que não seja respeitado em relação a eles o disposto no art. 37, X, da Constituição Federal – que lhes assegura, entre outros, a revisão remuneratória anual, sempre na mesma data, sem distinção de índices.

    Se atualmente há uma defasagem salarial de 56%, é porque o último reajuste ocorreu com a Lei nº 11.146, de 2006 (PCS III), que recompôs parte da discrepância existente à época, em 4 (quatro) parcelas espaçadas entre os anos de 2007 e 2008. Desde então, não houve qualquer reajuste, diversamente do que ocorreu com outras categorias do funcionalismo, que tiveram seus salários reajustados no período de 2009 a 2012.

    A dimensão do reajuste concedido pelo Congresso revela nossa falha como gestores de um Poder, nosso erro em deixar os servidores tantos anos sem revisões salariais. Por sinal, agradeço o indispensável empenho de V.Ex.a. para que o reajuste dos magistrados tenha ocorrido. No entanto, sinto-me profundamente desconfortável em recebê-lo enquanto toda minha equipe fica à míngua.

    O PLC 28/2015 recompõe os vencimentos dos servidores gradativamente, em seis parcelas espaçadas entre julho de 2015 e dezembro de 2017. O índice de 78%, que vem sendo alardeado como “não condizente com a atual realidade econômica do País”, alvo dos petardos da grande mídia e mote da Presidente da República para sentir-se à vontade ao anunciar o seu veto, diz respeito, na verdade, somente aos “Auxiliares Judiciários”. Os suntuosos 78% serão concedidos a menos de uma dúzia de servidores que fazem parte de um cargo flagrantemente em extinção.

    Os servidores do Poder Judiciário da União não podem pagar a conta do ajuste fiscal. Não se trata de aumento real, e sim de reposição da inflação, considerando todos esses anos sem reajuste. Além disso, a conta não é do tamanho divulgado pela imprensa, que sequer levou em consideração a Nota Técnica do STF.

    Excelência, a Presidente da República desprezou essa Nota Técnica, a qual revela o real montante do reajuste. Não prestigie o veto que desprestigia V.Ex.a!

    O Poder Judiciário precisa ser liderado por V. Ex.a também no que diz respeito aos seus servidores, sob pena de torná-lo mero apêndice, servil e tíbio, do Poder Executivo. Não é a hipótese de se delegar a técnicos do Ministério do Planejamento a responsabilidade de recomeçar do zero e conduzir negociação, cientes de que sempre ofereceram percentuais irrisórios. Sentar novamente com técnicos do Poder Executivo é prestigiar o veto e não o Congresso Nacional que, por ampla maioria, aprovou o PLC 28/2015.

    A constante e renovada falta de tratamento condigno para com os nossos servidores poderá ter consequências gravíssimas para o próprio Poder Judiciário da União e para o País. Não podemos nos omitir, calar ou acovardar em momento tão sério. A perda da liderança do STF, neste momento, fará com que todo o Judiciário perca a confiança na Corte Suprema e, pior, levará o comando do assunto para níveis hierárquicos inferiores.

    Órfãos de liderança que exerça o papel de proteger o mínimo de justiça e o art. 37, X, da Constituição Federal, restará aos servidores do PJU apenas o recurso último dos trabalhadores: uma greve, que será tão moral e legítima quanto é imoral e injusto o veto presidencial. Após sete anos de reajustes na energia elétrica, gás, alimentos, escolas, planos de saúde etc., não teremos autoridade moral para nos opormos a uma greve profunda e definitiva dos servidores do Poder Judiciário da União.

    Não se pode admitir que o Poder Executivo pise nos servidores, os mesmos que processaram o “Mensalão”, a “Lava Jato”, as execuções fiscais e a defesa da Constituição para toda a sociedade.

    O que esperamos, todos, de V.Ex.a, é uma atitude firme, republicana, garantidora da Constituição Federal e da independência do Poder Judiciário. Esperamos de V.Ex.a que lute conosco junto ao Congresso para que o veto ao PLC 28/2015 seja derrubado.

    Clamo a V.Ex.a que não abandone os seus e os meus servidores ao relento, que prestigie o Congresso e que nos lidere neste momento.

    Atenciosamente,
    William Douglas, juiz federal, servidor público.

    São atitudes assim, que me dão um soslaio de esperança. É uma pena que o sentimento desse nobre magistrado não reflita o sentimento da maioria dos togados. De todo o modo, o judiciário brasileiro está cambaleando por causa de suas cabeças podres, magistrados que entram pelo famigerado quinto constitucional e são uma VERGONHA pra nossa justiça!

    Postar no Facebook e divulgar... cheers
    Mojo Jojo
    Mojo Jojo
    Usuário Master
    Usuário Master

    Cargo : Jarbas
    Mensagens : 741
    Reputação : 21
    Data de inscrição : 30/03/2011
    Localização : Brasília

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Mojo Jojo Sex 24 Jul 2015, 7:05 pm

    Truta do Policarpo escreveu:O Ministro não vai ler a missiva porque o Doutor vai rasgá-la, antes.
    Sejamos sensatos.
    Ninguém pode nos ajudar, no momento. O Ministro Ricardo não leria nem mesmo uma carta vinda de Jesus Cristo.
    Só nos resta lutar pela derrubada do veto.
    Carta eu só aceito as de crédito.

    Então que ele ouça com um carro de som no pé-do-ouvido durante a abertura dos trabalhos forenses na primeira sessão plenária do STF.
    Conclamando ele e os outros a ouvirem com atenção como os servidores de um Poder da República deveriam ser defendidos por seu respectivo Presidente.
    Simples.


    Última edição por Mojo Jojo em Sex 24 Jul 2015, 7:09 pm, editado 1 vez(es)
    Subsidiado
    Subsidiado
    Usuário VIP
    Usuário VIP

    Mensagens : 2425
    Reputação : 60
    Data de inscrição : 06/07/2010
    Localização : FPolis

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Subsidiado Sex 24 Jul 2015, 7:08 pm

    Oi escreveu:
    Subsidiado escreveu:CARTA ABERTA AO MINISTRO PRESIDENTE DO STF

    Caro colega de magistratura,
    Excelentíssimo Ministro Ricardo Lewandowski,

    Dirijo-me a V.Ex.a, na qualidade de juiz federal premiado por produtividade – e que sabe que sem os servidores não existe Judiciário, nem justiça – e, também, na qualidade de cidadão e de professor de Direito Constitucional, para me colocar contra a atitude de V.Ex.a, expressa na nota publicada no portal eletrônico do STF, com o seguinte teor:

    Considerando o veto da Excelentíssima Senhora Presidente da República ao PLC nº 28/2015, publicado no Diário Oficial desta data, levo ao conhecimento dos servidores do Poder Judiciário da União que, firme em meus propósitos de valorização da categoria, determinei aos nossos técnicos a retomada de negociações com o Ministério do Planejamento, buscando construir uma solução que permita recompor a sua remuneração, em bases dignas, mas condizentes com a atual realidade econômica do País.

    Perdoe-me, mas se V.Ex.a quer estar firme em seus propósitos de valorização da categoria, a solução não é procurar os técnicos para que retomem as negociações com o Ministério do Planejamento.

    Não podemos admitir que trabalhadores (e nossos servidores também o são) não tenham data-base e que não seja respeitado em relação a eles o disposto no art. 37, X, da Constituição Federal – que lhes assegura, entre outros, a revisão remuneratória anual, sempre na mesma data, sem distinção de índices.

    Se atualmente há uma defasagem salarial de 56%, é porque o último reajuste ocorreu com a Lei nº 11.146, de 2006 (PCS III), que recompôs parte da discrepância existente à época, em 4 (quatro) parcelas espaçadas entre os anos de 2007 e 2008. Desde então, não houve qualquer reajuste, diversamente do que ocorreu com outras categorias do funcionalismo, que tiveram seus salários reajustados no período de 2009 a 2012.

    A dimensão do reajuste concedido pelo Congresso revela nossa falha como gestores de um Poder, nosso erro em deixar os servidores tantos anos sem revisões salariais. Por sinal, agradeço o indispensável empenho de V.Ex.a. para que o reajuste dos magistrados tenha ocorrido. No entanto, sinto-me profundamente desconfortável em recebê-lo enquanto toda minha equipe fica à míngua.

    O PLC 28/2015 recompõe os vencimentos dos servidores gradativamente, em seis parcelas espaçadas entre julho de 2015 e dezembro de 2017. O índice de 78%, que vem sendo alardeado como “não condizente com a atual realidade econômica do País”, alvo dos petardos da grande mídia e mote da Presidente da República para sentir-se à vontade ao anunciar o seu veto, diz respeito, na verdade, somente aos “Auxiliares Judiciários”. Os suntuosos 78% serão concedidos a menos de uma dúzia de servidores que fazem parte de um cargo flagrantemente em extinção.

    Os servidores do Poder Judiciário da União não podem pagar a conta do ajuste fiscal. Não se trata de aumento real, e sim de reposição da inflação, considerando todos esses anos sem reajuste. Além disso, a conta não é do tamanho divulgado pela imprensa, que sequer levou em consideração a Nota Técnica do STF.

    Excelência, a Presidente da República desprezou essa Nota Técnica, a qual revela o real montante do reajuste. Não prestigie o veto que desprestigia V.Ex.a!

    O Poder Judiciário precisa ser liderado por V. Ex.a também no que diz respeito aos seus servidores, sob pena de torná-lo mero apêndice, servil e tíbio, do Poder Executivo. Não é a hipótese de se delegar a técnicos do Ministério do Planejamento a responsabilidade de recomeçar do zero e conduzir negociação, cientes de que sempre ofereceram percentuais irrisórios. Sentar novamente com técnicos do Poder Executivo é prestigiar o veto e não o Congresso Nacional que, por ampla maioria, aprovou o PLC 28/2015.

    A constante e renovada falta de tratamento condigno para com os nossos servidores poderá ter consequências gravíssimas para o próprio Poder Judiciário da União e para o País. Não podemos nos omitir, calar ou acovardar em momento tão sério. A perda da liderança do STF, neste momento, fará com que todo o Judiciário perca a confiança na Corte Suprema e, pior, levará o comando do assunto para níveis hierárquicos inferiores.

    Órfãos de liderança que exerça o papel de proteger o mínimo de justiça e o art. 37, X, da Constituição Federal, restará aos servidores do PJU apenas o recurso último dos trabalhadores: uma greve, que será tão moral e legítima quanto é imoral e injusto o veto presidencial. Após sete anos de reajustes na energia elétrica, gás, alimentos, escolas, planos de saúde etc., não teremos autoridade moral para nos opormos a uma greve profunda e definitiva dos servidores do Poder Judiciário da União.

    Não se pode admitir que o Poder Executivo pise nos servidores, os mesmos que processaram o “Mensalão”, a “Lava Jato”, as execuções fiscais e a defesa da Constituição para toda a sociedade.

    O que esperamos, todos, de V.Ex.a, é uma atitude firme, republicana, garantidora da Constituição Federal e da independência do Poder Judiciário. Esperamos de V.Ex.a que lute conosco junto ao Congresso para que o veto ao PLC 28/2015 seja derrubado.

    Clamo a V.Ex.a que não abandone os seus e os meus servidores ao relento, que prestigie o Congresso e que nos lidere neste momento.

    Atenciosamente,
    William Douglas, juiz federal, servidor público.

    Será se existe a mínima possibilidade de Lewando ter acesso a essa carta?

    Sim. Vai ler.

    Vai pensar: "É, ficou chato. Paciência. É o ônus que terei que carregar. Mas deixar de retribuir a minha indicação para o STF está fora de cogitação".

    É assim que as coisas funcionam. Claro que os principais atores do jogo gostariam que o público não lhes retirasse as máscaras.

    Mas, mesmo sem as mesmas, não deixarão de jogar.

    Há muito já sabemos quem são os nossos inimigos.

    Resta tentar convencer o CN.

    Ou então estamos perdidos mesmo.
    phaal2001
    phaal2001
    Usuário Júnior
    Usuário Júnior

    Mensagens : 275
    Reputação : 18
    Data de inscrição : 19/03/2015

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por phaal2001 Sex 24 Jul 2015, 7:10 pm

    servidor.tre escreveu:
    eder.lima escreveu:
    Subsidiado escreveu:CARTA ABERTA AO MINISTRO PRESIDENTE DO STF

    Caro colega de magistratura,
    Excelentíssimo Ministro Ricardo Lewandowski,

    Dirijo-me a V.Ex.a, na qualidade de juiz federal premiado por produtividade – e que sabe que sem os servidores não existe Judiciário, nem justiça – e, também, na qualidade de cidadão e de professor de Direito Constitucional, para me colocar contra a atitude de V.Ex.a, expressa na nota publicada no portal eletrônico do STF, com o seguinte teor:

    Considerando o veto da Excelentíssima Senhora Presidente da República ao PLC nº 28/2015, publicado no Diário Oficial desta data, levo ao conhecimento dos servidores do Poder Judiciário da União que, firme em meus propósitos de valorização da categoria, determinei aos nossos técnicos a retomada de negociações com o Ministério do Planejamento, buscando construir uma solução que permita recompor a sua remuneração, em bases dignas, mas condizentes com a atual realidade econômica do País.

    Perdoe-me, mas se V.Ex.a quer estar firme em seus propósitos de valorização da categoria, a solução não é procurar os técnicos para que retomem as negociações com o Ministério do Planejamento.

    Não podemos admitir que trabalhadores (e nossos servidores também o são) não tenham data-base e que não seja respeitado em relação a eles o disposto no art. 37, X, da Constituição Federal – que lhes assegura, entre outros, a revisão remuneratória anual, sempre na mesma data, sem distinção de índices.

    Se atualmente há uma defasagem salarial de 56%, é porque o último reajuste ocorreu com a Lei nº 11.146, de 2006 (PCS III), que recompôs parte da discrepância existente à época, em 4 (quatro) parcelas espaçadas entre os anos de 2007 e 2008. Desde então, não houve qualquer reajuste, diversamente do que ocorreu com outras categorias do funcionalismo, que tiveram seus salários reajustados no período de 2009 a 2012.

    A dimensão do reajuste concedido pelo Congresso revela nossa falha como gestores de um Poder, nosso erro em deixar os servidores tantos anos sem revisões salariais. Por sinal, agradeço o indispensável empenho de V.Ex.a. para que o reajuste dos magistrados tenha ocorrido. No entanto, sinto-me profundamente desconfortável em recebê-lo enquanto toda minha equipe fica à míngua.

    O PLC 28/2015 recompõe os vencimentos dos servidores gradativamente, em seis parcelas espaçadas entre julho de 2015 e dezembro de 2017. O índice de 78%, que vem sendo alardeado como “não condizente com a atual realidade econômica do País”, alvo dos petardos da grande mídia e mote da Presidente da República para sentir-se à vontade ao anunciar o seu veto, diz respeito, na verdade, somente aos “Auxiliares Judiciários”. Os suntuosos 78% serão concedidos a menos de uma dúzia de servidores que fazem parte de um cargo flagrantemente em extinção.

    Os servidores do Poder Judiciário da União não podem pagar a conta do ajuste fiscal. Não se trata de aumento real, e sim de reposição da inflação, considerando todos esses anos sem reajuste. Além disso, a conta não é do tamanho divulgado pela imprensa, que sequer levou em consideração a Nota Técnica do STF.

    Excelência, a Presidente da República desprezou essa Nota Técnica, a qual revela o real montante do reajuste. Não prestigie o veto que desprestigia V.Ex.a!

    O Poder Judiciário precisa ser liderado por V. Ex.a também no que diz respeito aos seus servidores, sob pena de torná-lo mero apêndice, servil e tíbio, do Poder Executivo. Não é a hipótese de se delegar a técnicos do Ministério do Planejamento a responsabilidade de recomeçar do zero e conduzir negociação, cientes de que sempre ofereceram percentuais irrisórios. Sentar novamente com técnicos do Poder Executivo é prestigiar o veto e não o Congresso Nacional que, por ampla maioria, aprovou o PLC 28/2015.

    A constante e renovada falta de tratamento condigno para com os nossos servidores poderá ter consequências gravíssimas para o próprio Poder Judiciário da União e para o País. Não podemos nos omitir, calar ou acovardar em momento tão sério. A perda da liderança do STF, neste momento, fará com que todo o Judiciário perca a confiança na Corte Suprema e, pior, levará o comando do assunto para níveis hierárquicos inferiores.

    Órfãos de liderança que exerça o papel de proteger o mínimo de justiça e o art. 37, X, da Constituição Federal, restará aos servidores do PJU apenas o recurso último dos trabalhadores: uma greve, que será tão moral e legítima quanto é imoral e injusto o veto presidencial. Após sete anos de reajustes na energia elétrica, gás, alimentos, escolas, planos de saúde etc., não teremos autoridade moral para nos opormos a uma greve profunda e definitiva dos servidores do Poder Judiciário da União.

    Não se pode admitir que o Poder Executivo pise nos servidores, os mesmos que processaram o “Mensalão”, a “Lava Jato”, as execuções fiscais e a defesa da Constituição para toda a sociedade.

    O que esperamos, todos, de V.Ex.a, é uma atitude firme, republicana, garantidora da Constituição Federal e da independência do Poder Judiciário. Esperamos de V.Ex.a que lute conosco junto ao Congresso para que o veto ao PLC 28/2015 seja derrubado.

    Clamo a V.Ex.a que não abandone os seus e os meus servidores ao relento, que prestigie o Congresso e que nos lidere neste momento.

    Atenciosamente,
    William Douglas, juiz federal, servidor público.

    São atitudes assim, que me dão um soslaio de esperança. É uma pena que o sentimento desse nobre magistrado não reflita o sentimento da maioria dos togados. De todo o modo, o judiciário brasileiro está cambaleando por causa de suas cabeças podres, magistrados que entram pelo famigerado quinto constitucional e são uma VERGONHA pra nossa justiça!

    Postar no Facebook e divulgar... cheers


    Será que ele vai ler isso?
    Subsidiado
    Subsidiado
    Usuário VIP
    Usuário VIP

    Mensagens : 2425
    Reputação : 60
    Data de inscrição : 06/07/2010
    Localização : FPolis

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Subsidiado Sex 24 Jul 2015, 7:12 pm

    Mojo Jojo escreveu:
    Subsidiado escreveu:CARTA ABERTA AO MINISTRO PRESIDENTE DO STF

    Caro colega de magistratura,
    Excelentíssimo Ministro Ricardo Lewandowski,

    Dirijo-me a V.Ex.a, na qualidade de juiz federal premiado por produtividade – e que sabe que sem os servidores não existe Judiciário, nem justiça – e, também, na qualidade de cidadão e de professor de Direito Constitucional, para me colocar contra a atitude de V.Ex.a, expressa na nota publicada no portal eletrônico do STF, com o seguinte teor:

    Considerando o veto da Excelentíssima Senhora Presidente da República ao PLC nº 28/2015, publicado no Diário Oficial desta data, levo ao conhecimento dos servidores do Poder Judiciário da União que, firme em meus propósitos de valorização da categoria, determinei aos nossos técnicos a retomada de negociações com o Ministério do Planejamento, buscando construir uma solução que permita recompor a sua remuneração, em bases dignas, mas condizentes com a atual realidade econômica do País.

    Perdoe-me, mas se V.Ex.a quer estar firme em seus propósitos de valorização da categoria, a solução não é procurar os técnicos para que retomem as negociações com o Ministério do Planejamento.

    Não podemos admitir que trabalhadores (e nossos servidores também o são) não tenham data-base e que não seja respeitado em relação a eles o disposto no art. 37, X, da Constituição Federal – que lhes assegura, entre outros, a revisão remuneratória anual, sempre na mesma data, sem distinção de índices.

    Se atualmente há uma defasagem salarial de 56%, é porque o último reajuste ocorreu com a Lei nº 11.146, de 2006 (PCS III), que recompôs parte da discrepância existente à época, em 4 (quatro) parcelas espaçadas entre os anos de 2007 e 2008. Desde então, não houve qualquer reajuste, diversamente do que ocorreu com outras categorias do funcionalismo, que tiveram seus salários reajustados no período de 2009 a 2012.

    A dimensão do reajuste concedido pelo Congresso revela nossa falha como gestores de um Poder, nosso erro em deixar os servidores tantos anos sem revisões salariais. Por sinal, agradeço o indispensável empenho de V.Ex.a. para que o reajuste dos magistrados tenha ocorrido. No entanto, sinto-me profundamente desconfortável em recebê-lo enquanto toda minha equipe fica à míngua.

    O PLC 28/2015 recompõe os vencimentos dos servidores gradativamente, em seis parcelas espaçadas entre julho de 2015 e dezembro de 2017. O índice de 78%, que vem sendo alardeado como “não condizente com a atual realidade econômica do País”, alvo dos petardos da grande mídia e mote da Presidente da República para sentir-se à vontade ao anunciar o seu veto, diz respeito, na verdade, somente aos “Auxiliares Judiciários”. Os suntuosos 78% serão concedidos a menos de uma dúzia de servidores que fazem parte de um cargo flagrantemente em extinção.

    Os servidores do Poder Judiciário da União não podem pagar a conta do ajuste fiscal. Não se trata de aumento real, e sim de reposição da inflação, considerando todos esses anos sem reajuste. Além disso, a conta não é do tamanho divulgado pela imprensa, que sequer levou em consideração a Nota Técnica do STF.

    Excelência, a Presidente da República desprezou essa Nota Técnica, a qual revela o real montante do reajuste. Não prestigie o veto que desprestigia V.Ex.a!

    O Poder Judiciário precisa ser liderado por V. Ex.a também no que diz respeito aos seus servidores, sob pena de torná-lo mero apêndice, servil e tíbio, do Poder Executivo. Não é a hipótese de se delegar a técnicos do Ministério do Planejamento a responsabilidade de recomeçar do zero e conduzir negociação, cientes de que sempre ofereceram percentuais irrisórios. Sentar novamente com técnicos do Poder Executivo é prestigiar o veto e não o Congresso Nacional que, por ampla maioria, aprovou o PLC 28/2015.

    A constante e renovada falta de tratamento condigno para com os nossos servidores poderá ter consequências gravíssimas para o próprio Poder Judiciário da União e para o País. Não podemos nos omitir, calar ou acovardar em momento tão sério. A perda da liderança do STF, neste momento, fará com que todo o Judiciário perca a confiança na Corte Suprema e, pior, levará o comando do assunto para níveis hierárquicos inferiores.

    Órfãos de liderança que exerça o papel de proteger o mínimo de justiça e o art. 37, X, da Constituição Federal, restará aos servidores do PJU apenas o recurso último dos trabalhadores: uma greve, que será tão moral e legítima quanto é imoral e injusto o veto presidencial. Após sete anos de reajustes na energia elétrica, gás, alimentos, escolas, planos de saúde etc., não teremos autoridade moral para nos opormos a uma greve profunda e definitiva dos servidores do Poder Judiciário da União.

    Não se pode admitir que o Poder Executivo pise nos servidores, os mesmos que processaram o “Mensalão”, a “Lava Jato”, as execuções fiscais e a defesa da Constituição para toda a sociedade.

    O que esperamos, todos, de V.Ex.a, é uma atitude firme, republicana, garantidora da Constituição Federal e da independência do Poder Judiciário. Esperamos de V.Ex.a que lute conosco junto ao Congresso para que o veto ao PLC 28/2015 seja derrubado.

    Clamo a V.Ex.a que não abandone os seus e os meus servidores ao relento, que prestigie o Congresso e que nos lidere neste momento.

    Atenciosamente,
    William Douglas, juiz federal, servidor público.

    Não dá pra elegê-lo Ministro Presidente em exercício do STF até o final do ano, não?
    Pqp, o que este magistrado tem de sobriedade, inteligência e boa-fé, o Procurador Federal-Chefe da Secretaria do Judiciário da União, órgão subordinado hierarquicamente ao MPOG e MJ tem de... deixa pra lá
    De onde tiraram esta carta aberta?
    O cara mitou!!!

    Não. Quem indica escolhe a dedo alguém que lhe garanta obediência eterna.

    Ah, isso continua em série...

    Também é escolhido dessa mesma forma o DG da instituição.
    Mojo Jojo
    Mojo Jojo
    Usuário Master
    Usuário Master

    Cargo : Jarbas
    Mensagens : 741
    Reputação : 21
    Data de inscrição : 30/03/2011
    Localização : Brasília

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Mojo Jojo Sex 24 Jul 2015, 7:12 pm

    Subsidiado escreveu:
    Oi escreveu:
    Subsidiado escreveu:CARTA ABERTA AO MINISTRO PRESIDENTE DO STF

    Caro colega de magistratura,
    Excelentíssimo Ministro Ricardo Lewandowski,

    Dirijo-me a V.Ex.a, na qualidade de juiz federal premiado por produtividade – e que sabe que sem os servidores não existe Judiciário, nem justiça – e, também, na qualidade de cidadão e de professor de Direito Constitucional, para me colocar contra a atitude de V.Ex.a, expressa na nota publicada no portal eletrônico do STF, com o seguinte teor:

    Considerando o veto da Excelentíssima Senhora Presidente da República ao PLC nº 28/2015, publicado no Diário Oficial desta data, levo ao conhecimento dos servidores do Poder Judiciário da União que, firme em meus propósitos de valorização da categoria, determinei aos nossos técnicos a retomada de negociações com o Ministério do Planejamento, buscando construir uma solução que permita recompor a sua remuneração, em bases dignas, mas condizentes com a atual realidade econômica do País.

    Perdoe-me, mas se V.Ex.a quer estar firme em seus propósitos de valorização da categoria, a solução não é procurar os técnicos para que retomem as negociações com o Ministério do Planejamento.

    Não podemos admitir que trabalhadores (e nossos servidores também o são) não tenham data-base e que não seja respeitado em relação a eles o disposto no art. 37, X, da Constituição Federal – que lhes assegura, entre outros, a revisão remuneratória anual, sempre na mesma data, sem distinção de índices.

    Se atualmente há uma defasagem salarial de 56%, é porque o último reajuste ocorreu com a Lei nº 11.146, de 2006 (PCS III), que recompôs parte da discrepância existente à época, em 4 (quatro) parcelas espaçadas entre os anos de 2007 e 2008. Desde então, não houve qualquer reajuste, diversamente do que ocorreu com outras categorias do funcionalismo, que tiveram seus salários reajustados no período de 2009 a 2012.

    A dimensão do reajuste concedido pelo Congresso revela nossa falha como gestores de um Poder, nosso erro em deixar os servidores tantos anos sem revisões salariais. Por sinal, agradeço o indispensável empenho de V.Ex.a. para que o reajuste dos magistrados tenha ocorrido. No entanto, sinto-me profundamente desconfortável em recebê-lo enquanto toda minha equipe fica à míngua.

    O PLC 28/2015 recompõe os vencimentos dos servidores gradativamente, em seis parcelas espaçadas entre julho de 2015 e dezembro de 2017. O índice de 78%, que vem sendo alardeado como “não condizente com a atual realidade econômica do País”, alvo dos petardos da grande mídia e mote da Presidente da República para sentir-se à vontade ao anunciar o seu veto, diz respeito, na verdade, somente aos “Auxiliares Judiciários”. Os suntuosos 78% serão concedidos a menos de uma dúzia de servidores que fazem parte de um cargo flagrantemente em extinção.

    Os servidores do Poder Judiciário da União não podem pagar a conta do ajuste fiscal. Não se trata de aumento real, e sim de reposição da inflação, considerando todos esses anos sem reajuste. Além disso, a conta não é do tamanho divulgado pela imprensa, que sequer levou em consideração a Nota Técnica do STF.

    Excelência, a Presidente da República desprezou essa Nota Técnica, a qual revela o real montante do reajuste. Não prestigie o veto que desprestigia V.Ex.a!

    O Poder Judiciário precisa ser liderado por V. Ex.a também no que diz respeito aos seus servidores, sob pena de torná-lo mero apêndice, servil e tíbio, do Poder Executivo. Não é a hipótese de se delegar a técnicos do Ministério do Planejamento a responsabilidade de recomeçar do zero e conduzir negociação, cientes de que sempre ofereceram percentuais irrisórios. Sentar novamente com técnicos do Poder Executivo é prestigiar o veto e não o Congresso Nacional que, por ampla maioria, aprovou o PLC 28/2015.

    A constante e renovada falta de tratamento condigno para com os nossos servidores poderá ter consequências gravíssimas para o próprio Poder Judiciário da União e para o País. Não podemos nos omitir, calar ou acovardar em momento tão sério. A perda da liderança do STF, neste momento, fará com que todo o Judiciário perca a confiança na Corte Suprema e, pior, levará o comando do assunto para níveis hierárquicos inferiores.

    Órfãos de liderança que exerça o papel de proteger o mínimo de justiça e o art. 37, X, da Constituição Federal, restará aos servidores do PJU apenas o recurso último dos trabalhadores: uma greve, que será tão moral e legítima quanto é imoral e injusto o veto presidencial. Após sete anos de reajustes na energia elétrica, gás, alimentos, escolas, planos de saúde etc., não teremos autoridade moral para nos opormos a uma greve profunda e definitiva dos servidores do Poder Judiciário da União.

    Não se pode admitir que o Poder Executivo pise nos servidores, os mesmos que processaram o “Mensalão”, a “Lava Jato”, as execuções fiscais e a defesa da Constituição para toda a sociedade.

    O que esperamos, todos, de V.Ex.a, é uma atitude firme, republicana, garantidora da Constituição Federal e da independência do Poder Judiciário. Esperamos de V.Ex.a que lute conosco junto ao Congresso para que o veto ao PLC 28/2015 seja derrubado.

    Clamo a V.Ex.a que não abandone os seus e os meus servidores ao relento, que prestigie o Congresso e que nos lidere neste momento.

    Atenciosamente,
    William Douglas, juiz federal, servidor público.

    Será se existe a mínima possibilidade de Lewando ter acesso a essa carta?

    Sim. Vai ler.

    Vai pensar: "É, ficou chato. Paciência. É o ônus que terei que carregar. Mas deixar de retribuir a minha indicação para o STF está fora de cogitação".

    É assim que as coisas funcionam. Claro que os principais atores do jogo gostariam que o público não lhes retirasse as máscaras.

    Mas, mesmo sem as mesmas, não deixarão de jogar.

    Há muito já sabemos quem são os nossos inimigos.

    Resta tentar convencer o CN.

    Ou então estamos perdidos mesmo.

    Não temos dúvidas de que o caminho agora passa pelo CN.
    Fazê-los ouvir esta carta aberta é para constrangê-los mesmo. Sem nenhum outro objetivo mediato.
    otr
    otr
    Novo Usuário

    Mensagens : 6
    Reputação : 1
    Data de inscrição : 02/06/2015

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por otr Sex 24 Jul 2015, 7:13 pm

    Fonte: [Tens de ter uma conta e sessão iniciada para poderes visualizar este link]

    "A presidente Dilma Rousseff vai convidar governadores da oposição para participar de uma reunião que está sendo articulada para a próxima quinta-feira (30), em Brasília, para selar uma espécie de pacto de governabilidade
    [...]
    Um dos pedidos será para que os governadores ajudem a evitar no Congresso a derrubada do veto presidencial ao reajuste do salário dos servidores do Judiciário. Aprovado pelo Senado em junho"
    Mojo Jojo
    Mojo Jojo
    Usuário Master
    Usuário Master

    Cargo : Jarbas
    Mensagens : 741
    Reputação : 21
    Data de inscrição : 30/03/2011
    Localização : Brasília

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Mojo Jojo Sex 24 Jul 2015, 7:14 pm

    Subsidiado escreveu:
    Mojo Jojo escreveu:
    Subsidiado escreveu:CARTA ABERTA AO MINISTRO PRESIDENTE DO STF

    Caro colega de magistratura,
    Excelentíssimo Ministro Ricardo Lewandowski,

    Dirijo-me a V.Ex.a, na qualidade de juiz federal premiado por produtividade – e que sabe que sem os servidores não existe Judiciário, nem justiça – e, também, na qualidade de cidadão e de professor de Direito Constitucional, para me colocar contra a atitude de V.Ex.a, expressa na nota publicada no portal eletrônico do STF, com o seguinte teor:

    Considerando o veto da Excelentíssima Senhora Presidente da República ao PLC nº 28/2015, publicado no Diário Oficial desta data, levo ao conhecimento dos servidores do Poder Judiciário da União que, firme em meus propósitos de valorização da categoria, determinei aos nossos técnicos a retomada de negociações com o Ministério do Planejamento, buscando construir uma solução que permita recompor a sua remuneração, em bases dignas, mas condizentes com a atual realidade econômica do País.

    Perdoe-me, mas se V.Ex.a quer estar firme em seus propósitos de valorização da categoria, a solução não é procurar os técnicos para que retomem as negociações com o Ministério do Planejamento.

    Não podemos admitir que trabalhadores (e nossos servidores também o são) não tenham data-base e que não seja respeitado em relação a eles o disposto no art. 37, X, da Constituição Federal – que lhes assegura, entre outros, a revisão remuneratória anual, sempre na mesma data, sem distinção de índices.

    Se atualmente há uma defasagem salarial de 56%, é porque o último reajuste ocorreu com a Lei nº 11.146, de 2006 (PCS III), que recompôs parte da discrepância existente à época, em 4 (quatro) parcelas espaçadas entre os anos de 2007 e 2008. Desde então, não houve qualquer reajuste, diversamente do que ocorreu com outras categorias do funcionalismo, que tiveram seus salários reajustados no período de 2009 a 2012.

    A dimensão do reajuste concedido pelo Congresso revela nossa falha como gestores de um Poder, nosso erro em deixar os servidores tantos anos sem revisões salariais. Por sinal, agradeço o indispensável empenho de V.Ex.a. para que o reajuste dos magistrados tenha ocorrido. No entanto, sinto-me profundamente desconfortável em recebê-lo enquanto toda minha equipe fica à míngua.

    O PLC 28/2015 recompõe os vencimentos dos servidores gradativamente, em seis parcelas espaçadas entre julho de 2015 e dezembro de 2017. O índice de 78%, que vem sendo alardeado como “não condizente com a atual realidade econômica do País”, alvo dos petardos da grande mídia e mote da Presidente da República para sentir-se à vontade ao anunciar o seu veto, diz respeito, na verdade, somente aos “Auxiliares Judiciários”. Os suntuosos 78% serão concedidos a menos de uma dúzia de servidores que fazem parte de um cargo flagrantemente em extinção.

    Os servidores do Poder Judiciário da União não podem pagar a conta do ajuste fiscal. Não se trata de aumento real, e sim de reposição da inflação, considerando todos esses anos sem reajuste. Além disso, a conta não é do tamanho divulgado pela imprensa, que sequer levou em consideração a Nota Técnica do STF.

    Excelência, a Presidente da República desprezou essa Nota Técnica, a qual revela o real montante do reajuste. Não prestigie o veto que desprestigia V.Ex.a!

    O Poder Judiciário precisa ser liderado por V. Ex.a também no que diz respeito aos seus servidores, sob pena de torná-lo mero apêndice, servil e tíbio, do Poder Executivo. Não é a hipótese de se delegar a técnicos do Ministério do Planejamento a responsabilidade de recomeçar do zero e conduzir negociação, cientes de que sempre ofereceram percentuais irrisórios. Sentar novamente com técnicos do Poder Executivo é prestigiar o veto e não o Congresso Nacional que, por ampla maioria, aprovou o PLC 28/2015.

    A constante e renovada falta de tratamento condigno para com os nossos servidores poderá ter consequências gravíssimas para o próprio Poder Judiciário da União e para o País. Não podemos nos omitir, calar ou acovardar em momento tão sério. A perda da liderança do STF, neste momento, fará com que todo o Judiciário perca a confiança na Corte Suprema e, pior, levará o comando do assunto para níveis hierárquicos inferiores.

    Órfãos de liderança que exerça o papel de proteger o mínimo de justiça e o art. 37, X, da Constituição Federal, restará aos servidores do PJU apenas o recurso último dos trabalhadores: uma greve, que será tão moral e legítima quanto é imoral e injusto o veto presidencial. Após sete anos de reajustes na energia elétrica, gás, alimentos, escolas, planos de saúde etc., não teremos autoridade moral para nos opormos a uma greve profunda e definitiva dos servidores do Poder Judiciário da União.

    Não se pode admitir que o Poder Executivo pise nos servidores, os mesmos que processaram o “Mensalão”, a “Lava Jato”, as execuções fiscais e a defesa da Constituição para toda a sociedade.

    O que esperamos, todos, de V.Ex.a, é uma atitude firme, republicana, garantidora da Constituição Federal e da independência do Poder Judiciário. Esperamos de V.Ex.a que lute conosco junto ao Congresso para que o veto ao PLC 28/2015 seja derrubado.

    Clamo a V.Ex.a que não abandone os seus e os meus servidores ao relento, que prestigie o Congresso e que nos lidere neste momento.

    Atenciosamente,
    William Douglas, juiz federal, servidor público.

    Não dá pra elegê-lo Ministro Presidente em exercício do STF até o final do ano, não?
    Pqp, o que este magistrado tem de sobriedade, inteligência e boa-fé, o Procurador Federal-Chefe da Secretaria do Judiciário da União, órgão subordinado hierarquicamente ao MPOG e MJ tem de... deixa pra lá
    De onde tiraram esta carta aberta?
    O cara mitou!!!

    Não. Quem indica escolhe a dedo alguém que lhe garanta obediência eterna.

    Ah, isso continua em série...

    Também é escolhido dessa mesma forma o DG da instituição.

    Colega, a alusão à eleição foi uma ironia; apenas uma ironia, rs
    Como se tecla por aqui: mode ironic on, não é isso?
    Maisquevencedor
    Maisquevencedor
    Usuário VIP
    Usuário VIP

    Mensagens : 3003
    Reputação : 25
    Data de inscrição : 06/07/2010

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Maisquevencedor Sex 24 Jul 2015, 7:20 pm

    Pensem num desespero!!!!
    Caindo o veto, cai o governo!!!


    otr escreveu:Fonte: [Tens de ter uma conta e sessão iniciada para poderes visualizar este link]

    "A presidente Dilma Rousseff vai convidar governadores da oposição para participar de uma reunião que está sendo articulada para a próxima quinta-feira (30), em Brasília, para selar uma espécie de pacto de governabilidade
    [...]
    Um dos pedidos será para que os governadores ajudem a evitar no Congresso a derrubada do veto presidencial ao reajuste do salário dos servidores do Judiciário. Aprovado pelo Senado em junho"
    aaneto
    aaneto
    Usuário Júnior
    Usuário Júnior

    Cargo : Analista Judiciário
    Mensagens : 263
    Reputação : 19
    Data de inscrição : 16/12/2014
    Localização : Paraná - Interior

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por aaneto Sex 24 Jul 2015, 7:21 pm

    otr escreveu:Fonte: [Tens de ter uma conta e sessão iniciada para poderes visualizar este link]

    "A presidente Dilma Rousseff vai convidar governadores da oposição para participar de uma reunião que está sendo articulada para a próxima quinta-feira (30), em Brasília, para selar uma espécie de pacto de governabilidade
    [...]
    Um dos pedidos será para que os governadores ajudem a evitar no Congresso a derrubada do veto presidencial ao reajuste do salário dos servidores do Judiciário. Aprovado pelo Senado em junho"


    Vai libertar o dobro do valor do plc28, mas não admite recomposição para judiciário... O jogo vai ficar tão pesado que se ela perder,a coisa vai complicar pro lado dela... Quem viver, verá...
    avatar
    Convidado
    Convidado

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Convidado Sex 24 Jul 2015, 7:21 pm

    Face do Dr. Wiliam Douglas.

    https://pt-br.facebook.com/PaginaWilliamDouglas

    A carta está lá, pronta pra ser curtida e compartilhada!!

    avatar
    pgusmao
    Usuário Sênior
    Usuário Sênior

    Mensagens : 316
    Reputação : 16
    Data de inscrição : 06/08/2010

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por pgusmao Sex 24 Jul 2015, 7:26 pm

    Do jeito que a coisa vai, a Dilma é quase ex-presidente do país, a hora que este Marcelo Odebrecht abrir a boca vai faltar cadeia para os políticos!!!
    avatar
    rogcampinas
    Usuário Especial
    Usuário Especial

    Mensagens : 1024
    Reputação : 368
    Data de inscrição : 25/06/2015

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por rogcampinas Sex 24 Jul 2015, 7:40 pm

    Reunião com governadores é? Vamos queimar o filme da anta junto aos governadores então. E também solicitar apoio à derrubada do veto. Já estou disparando e-mails


    Última edição por rogcampinas em Sex 24 Jul 2015, 7:42 pm, editado 1 vez(es)
    Bérgamo
    Bérgamo
    Usuário Recente
    Usuário Recente

    Mensagens : 36
    Reputação : 4
    Data de inscrição : 17/07/2015

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Bérgamo Sex 24 Jul 2015, 7:41 pm

    Oi escreveu:
    Subsidiado escreveu:CARTA ABERTA AO MINISTRO PRESIDENTE DO STF

    Caro colega de magistratura,
    Excelentíssimo Ministro Ricardo Lewandowski,

    Dirijo-me a V.Ex.a, na qualidade de juiz federal premiado por produtividade – e que sabe que sem os servidores não existe Judiciário, nem justiça – e, também, na qualidade de cidadão e de professor de Direito Constitucional, para me colocar contra a atitude de V.Ex.a, expressa na nota publicada no portal eletrônico do STF, com o seguinte teor:

    Considerando o veto da Excelentíssima Senhora Presidente da República ao PLC nº 28/2015, publicado no Diário Oficial desta data, levo ao conhecimento dos servidores do Poder Judiciário da União que, firme em meus propósitos de valorização da categoria, determinei aos nossos técnicos a retomada de negociações com o Ministério do Planejamento, buscando construir uma solução que permita recompor a sua remuneração, em bases dignas, mas condizentes com a atual realidade econômica do País.

    Perdoe-me, mas se V.Ex.a quer estar firme em seus propósitos de valorização da categoria, a solução não é procurar os técnicos para que retomem as negociações com o Ministério do Planejamento.

    Não podemos admitir que trabalhadores (e nossos servidores também o são) não tenham data-base e que não seja respeitado em relação a eles o disposto no art. 37, X, da Constituição Federal – que lhes assegura, entre outros, a revisão remuneratória anual, sempre na mesma data, sem distinção de índices.

    Se atualmente há uma defasagem salarial de 56%, é porque o último reajuste ocorreu com a Lei nº 11.146, de 2006 (PCS III), que recompôs parte da discrepância existente à época, em 4 (quatro) parcelas espaçadas entre os anos de 2007 e 2008. Desde então, não houve qualquer reajuste, diversamente do que ocorreu com outras categorias do funcionalismo, que tiveram seus salários reajustados no período de 2009 a 2012.

    A dimensão do reajuste concedido pelo Congresso revela nossa falha como gestores de um Poder, nosso erro em deixar os servidores tantos anos sem revisões salariais. Por sinal, agradeço o indispensável empenho de V.Ex.a. para que o reajuste dos magistrados tenha ocorrido. No entanto, sinto-me profundamente desconfortável em recebê-lo enquanto toda minha equipe fica à míngua.

    O PLC 28/2015 recompõe os vencimentos dos servidores gradativamente, em seis parcelas espaçadas entre julho de 2015 e dezembro de 2017. O índice de 78%, que vem sendo alardeado como “não condizente com a atual realidade econômica do País”, alvo dos petardos da grande mídia e mote da Presidente da República para sentir-se à vontade ao anunciar o seu veto, diz respeito, na verdade, somente aos “Auxiliares Judiciários”. Os suntuosos 78% serão concedidos a menos de uma dúzia de servidores que fazem parte de um cargo flagrantemente em extinção.

    Os servidores do Poder Judiciário da União não podem pagar a conta do ajuste fiscal. Não se trata de aumento real, e sim de reposição da inflação, considerando todos esses anos sem reajuste. Além disso, a conta não é do tamanho divulgado pela imprensa, que sequer levou em consideração a Nota Técnica do STF.

    Excelência, a Presidente da República desprezou essa Nota Técnica, a qual revela o real montante do reajuste. Não prestigie o veto que desprestigia V.Ex.a!

    O Poder Judiciário precisa ser liderado por V. Ex.a também no que diz respeito aos seus servidores, sob pena de torná-lo mero apêndice, servil e tíbio, do Poder Executivo. Não é a hipótese de se delegar a técnicos do Ministério do Planejamento a responsabilidade de recomeçar do zero e conduzir negociação, cientes de que sempre ofereceram percentuais irrisórios. Sentar novamente com técnicos do Poder Executivo é prestigiar o veto e não o Congresso Nacional que, por ampla maioria, aprovou o PLC 28/2015.

    A constante e renovada falta de tratamento condigno para com os nossos servidores poderá ter consequências gravíssimas para o próprio Poder Judiciário da União e para o País. Não podemos nos omitir, calar ou acovardar em momento tão sério. A perda da liderança do STF, neste momento, fará com que todo o Judiciário perca a confiança na Corte Suprema e, pior, levará o comando do assunto para níveis hierárquicos inferiores.

    Órfãos de liderança que exerça o papel de proteger o mínimo de justiça e o art. 37, X, da Constituição Federal, restará aos servidores do PJU apenas o recurso último dos trabalhadores: uma greve, que será tão moral e legítima quanto é imoral e injusto o veto presidencial. Após sete anos de reajustes na energia elétrica, gás, alimentos, escolas, planos de saúde etc., não teremos autoridade moral para nos opormos a uma greve profunda e definitiva dos servidores do Poder Judiciário da União.

    Não se pode admitir que o Poder Executivo pise nos servidores, os mesmos que processaram o “Mensalão”, a “Lava Jato”, as execuções fiscais e a defesa da Constituição para toda a sociedade.

    O que esperamos, todos, de V.Ex.a, é uma atitude firme, republicana, garantidora da Constituição Federal e da independência do Poder Judiciário. Esperamos de V.Ex.a que lute conosco junto ao Congresso para que o veto ao PLC 28/2015 seja derrubado.

    Clamo a V.Ex.a que não abandone os seus e os meus servidores ao relento, que prestigie o Congresso e que nos lidere neste momento.

    Atenciosamente,
    William Douglas, juiz federal, servidor público.

    Será se existe a mínima possibilidade de Lewando ter acesso a essa carta?

    Conscientemente ou não o William Douglas lembrou o Presidente do STF que ele, presidente, também é servidor público do Judiciário. Iniciou a missiva dirigindo-se a ele como colega de magistratura e encerrou assinando como servidor público.
    susi
    susi
    Novo Usuário

    Mensagens : 4
    Reputação : 0
    Data de inscrição : 03/06/2015

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por susi Sex 24 Jul 2015, 7:45 pm

    Da forma que as coisas estão se desenhando, o reajuste dos servidores do Judiciário terá um papel protagonista na queda de Dilma. A conferir.
    aaneto
    aaneto
    Usuário Júnior
    Usuário Júnior

    Cargo : Analista Judiciário
    Mensagens : 263
    Reputação : 19
    Data de inscrição : 16/12/2014
    Localização : Paraná - Interior

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por aaneto Sex 24 Jul 2015, 7:52 pm

    susi escreveu:Da forma que as coisas estão se desenhando, o reajuste dos servidores do Judiciário terá um papel protagonista na queda de Dilma. A conferir.

    Precisamos incluir na estratégia de contato com parlamentares, os governadores da oposição... Urgente... Agendar reuniões, Facebook, Twitter, email e todo mais...
    Capodituticapo
    Capodituticapo
    Novo Usuário

    Mensagens : 17
    Reputação : 0
    Data de inscrição : 16/06/2015

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Capodituticapo Sex 24 Jul 2015, 7:53 pm

    Alguém que tenha contato no sindicato poderia sugerir que essa carta aberta fosse publicada nos jornais de grande circulação. Esse investimento valeria a pena.
    O STF seria obrigado a soltar uma nota!
    16Toneladas
    16Toneladas
    Usuário VIP
    Usuário VIP

    Mensagens : 2008
    Reputação : 39
    Data de inscrição : 08/07/2010

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por 16Toneladas Sex 24 Jul 2015, 7:56 pm

    A situação política pode mudar a qualquer minuto. A petralhada está tão desesperada que está procurando até o FHC. Essa lava-jato pode ter um bomba explodindo a qualquer hora. Torcer para que a PF e nossos colegas do Paraná tenham feito boas descobertas!!! O desespero bateu e agora vão pedir ajuda aqueles que esculhambaram o tempo todo?

    Hora de ter fé. Ter fé não significa rezar e ficar esperando. É pedir e agir. Faça o que está ao seu alcance, mas lute. Orai e vigiai. Tenho certeza que sairemos vitoriosos.
    seu Mamute de Estimação
    seu Mamute de Estimação
    Usuário Sênior
    Usuário Sênior

    Mensagens : 412
    Reputação : 17
    Data de inscrição : 18/07/2014

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por seu Mamute de Estimação Sex 24 Jul 2015, 8:02 pm

    pgusmao escreveu:Do jeito que a coisa vai, a Dilma é quase ex-presidente do país, a hora que este Marcelo Odebrecht abrir a boca vai faltar cadeia para os políticos!!!

    os boatos dizem que o Marcelo não abrirá a boca: " Marcelo Odebrecht não vai fazer delação premiada, na instrução da Operação Lava Jato, porque vai confiar na capacidade da empreiteira de alimentar os tentáculos de que dispõe no Executivo, Legislativo e Judiciário. Ele não vai delatar ninguém para preservar a confiança na empreiteira de que é dono. Quem vai continuar fazendo delações são os executivos do chamado “médio clero”. Na Odebrecht, todos confiam no que aconteceu na Operação Castelo de Areia: por isso Marcelo não vai delatar”.

    ainda esperam enterrar a lava jato, como enterraram o catelo de areia e satiagrara

    [Tens de ter uma conta e sessão iniciada para poderes visualizar este link]

    [Tens de ter uma conta e sessão iniciada para poderes visualizar este link]


    é incrível como um governo prepotente e incompetente conseguiu transformar em um verdadeiro cabo de guerra um simples PLC 28 de um outro poder que deveria ser autônomo.
    avatar
    Convidado
    Convidado

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Convidado Sex 24 Jul 2015, 8:02 pm

    rogcampinas escreveu:Reunião com governadores é? Vamos queimar o filme da anta junto aos governadores então. E também solicitar apoio à derrubada do veto. Já estou disparando e-mails

    ANEXANDO A CARTA ABERTA DO WILLIAM DOUGLAS.
    Mooquense
    Mooquense
    Novo Usuário

    Mensagens : 28
    Reputação : 2
    Data de inscrição : 27/03/2015

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Mooquense Sex 24 Jul 2015, 8:06 pm

    servidor.tre escreveu:
    eder.lima escreveu:
    Subsidiado escreveu:CARTA ABERTA AO MINISTRO PRESIDENTE DO STF

    Caro colega de magistratura,
    Excelentíssimo Ministro Ricardo Lewandowski,

    Dirijo-me a V.Ex.a, na qualidade de juiz federal premiado por produtividade – e que sabe que sem os servidores não existe Judiciário, nem justiça – e, também, na qualidade de cidadão e de professor de Direito Constitucional, para me colocar contra a atitude de V.Ex.a, expressa na nota publicada no portal eletrônico do STF, com o seguinte teor:

    Considerando o veto da Excelentíssima Senhora Presidente da República ao PLC nº 28/2015, publicado no Diário Oficial desta data, levo ao conhecimento dos servidores do Poder Judiciário da União que, firme em meus propósitos de valorização da categoria, determinei aos nossos técnicos a retomada de negociações com o Ministério do Planejamento, buscando construir uma solução que permita recompor a sua remuneração, em bases dignas, mas condizentes com a atual realidade econômica do País.

    Perdoe-me, mas se V.Ex.a quer estar firme em seus propósitos de valorização da categoria, a solução não é procurar os técnicos para que retomem as negociações com o Ministério do Planejamento.

    Não podemos admitir que trabalhadores (e nossos servidores também o são) não tenham data-base e que não seja respeitado em relação a eles o disposto no art. 37, X, da Constituição Federal – que lhes assegura, entre outros, a revisão remuneratória anual, sempre na mesma data, sem distinção de índices.

    Se atualmente há uma defasagem salarial de 56%, é porque o último reajuste ocorreu com a Lei nº 11.146, de 2006 (PCS III), que recompôs parte da discrepância existente à época, em 4 (quatro) parcelas espaçadas entre os anos de 2007 e 2008. Desde então, não houve qualquer reajuste, diversamente do que ocorreu com outras categorias do funcionalismo, que tiveram seus salários reajustados no período de 2009 a 2012.

    A dimensão do reajuste concedido pelo Congresso revela nossa falha como gestores de um Poder, nosso erro em deixar os servidores tantos anos sem revisões salariais. Por sinal, agradeço o indispensável empenho de V.Ex.a. para que o reajuste dos magistrados tenha ocorrido. No entanto, sinto-me profundamente desconfortável em recebê-lo enquanto toda minha equipe fica à míngua.

    O PLC 28/2015 recompõe os vencimentos dos servidores gradativamente, em seis parcelas espaçadas entre julho de 2015 e dezembro de 2017. O índice de 78%, que vem sendo alardeado como “não condizente com a atual realidade econômica do País”, alvo dos petardos da grande mídia e mote da Presidente da República para sentir-se à vontade ao anunciar o seu veto, diz respeito, na verdade, somente aos “Auxiliares Judiciários”. Os suntuosos 78% serão concedidos a menos de uma dúzia de servidores que fazem parte de um cargo flagrantemente em extinção.

    Os servidores do Poder Judiciário da União não podem pagar a conta do ajuste fiscal. Não se trata de aumento real, e sim de reposição da inflação, considerando todos esses anos sem reajuste. Além disso, a conta não é do tamanho divulgado pela imprensa, que sequer levou em consideração a Nota Técnica do STF.

    Excelência, a Presidente da República desprezou essa Nota Técnica, a qual revela o real montante do reajuste. Não prestigie o veto que desprestigia V.Ex.a!

    O Poder Judiciário precisa ser liderado por V. Ex.a também no que diz respeito aos seus servidores, sob pena de torná-lo mero apêndice, servil e tíbio, do Poder Executivo. Não é a hipótese de se delegar a técnicos do Ministério do Planejamento a responsabilidade de recomeçar do zero e conduzir negociação, cientes de que sempre ofereceram percentuais irrisórios. Sentar novamente com técnicos do Poder Executivo é prestigiar o veto e não o Congresso Nacional que, por ampla maioria, aprovou o PLC 28/2015.

    A constante e renovada falta de tratamento condigno para com os nossos servidores poderá ter consequências gravíssimas para o próprio Poder Judiciário da União e para o País. Não podemos nos omitir, calar ou acovardar em momento tão sério. A perda da liderança do STF, neste momento, fará com que todo o Judiciário perca a confiança na Corte Suprema e, pior, levará o comando do assunto para níveis hierárquicos inferiores.

    Órfãos de liderança que exerça o papel de proteger o mínimo de justiça e o art. 37, X, da Constituição Federal, restará aos servidores do PJU apenas o recurso último dos trabalhadores: uma greve, que será tão moral e legítima quanto é imoral e injusto o veto presidencial. Após sete anos de reajustes na energia elétrica, gás, alimentos, escolas, planos de saúde etc., não teremos autoridade moral para nos opormos a uma greve profunda e definitiva dos servidores do Poder Judiciário da União.

    Não se pode admitir que o Poder Executivo pise nos servidores, os mesmos que processaram o “Mensalão”, a “Lava Jato”, as execuções fiscais e a defesa da Constituição para toda a sociedade.

    O que esperamos, todos, de V.Ex.a, é uma atitude firme, republicana, garantidora da Constituição Federal e da independência do Poder Judiciário. Esperamos de V.Ex.a que lute conosco junto ao Congresso para que o veto ao PLC 28/2015 seja derrubado.

    Clamo a V.Ex.a que não abandone os seus e os meus servidores ao relento, que prestigie o Congresso e que nos lidere neste momento.

    Atenciosamente,
    William Douglas, juiz federal, servidor público.

    São atitudes assim, que me dão um soslaio de esperança. É uma pena que o sentimento desse nobre magistrado não reflita o sentimento da maioria dos togados. De todo o modo, o judiciário brasileiro está cambaleando por causa de suas cabeças podres, magistrados que entram pelo famigerado quinto constitucional e são uma VERGONHA pra nossa justiça!

    Postar no Facebook e divulgar... cheers

    Chupa, Lewa... não basta ser indicado pelo pt (minúsculo mesmo)... tem que saber ser líder e não um mero subserviente...
    16Toneladas
    16Toneladas
    Usuário VIP
    Usuário VIP

    Mensagens : 2008
    Reputação : 39
    Data de inscrição : 08/07/2010

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por 16Toneladas Sex 24 Jul 2015, 8:10 pm

    MPF SP escreveu:
    LAW-SC escreveu:[Tens de ter uma conta e sessão iniciada para poderes visualizar este link]


    Vou mandar um email enaltecendo a atitude dele e agradecendo o inestimável apoio!!!


    Ahhh se todo Juiz fosse assim, Wink



    Já enviei meu agradecimento.
    Lauro Silveira
    Lauro Silveira
    Novo Usuário

    Mensagens : 16
    Reputação : 5
    Data de inscrição : 10/06/2015

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Lauro Silveira Sex 24 Jul 2015, 8:13 pm

    Colegas, por curiosidade pesquisei no Google quanto o Governo vai pagar de juros neste ano para ter uma idéia do quanto nosso PCL representa como despesa e achei o sitio [Tens de ter uma conta e sessão iniciada para poderes visualizar este link] da FIESP, e, pasmem, de janeiro de 2015 até hoje o pagamento de juros já ultrapassou 290 BILHÕES DE REAIS, inclusive tem um comentário de um cidadão nos seguintes termos:
    "É um absurdo gastarmos quase a metade dos nossos impostos para dar a milionários que financiam as campanhas politicas para receberem juros altos e aos bancos (como o Bradesco do Ministro Levy)
    Vivemos para pagar juros dos ricaços!
    Quero juros igual ao dos EUA(0,25%), já"
    GrevistaRio
    GrevistaRio
    Usuário Recente
    Usuário Recente

    Mensagens : 33
    Reputação : -3
    Data de inscrição : 16/12/2014

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por GrevistaRio Sex 24 Jul 2015, 8:18 pm

    Relato da decisão do comendo de greve do RJ quando a diretoria do Sisejufe defendeu o "direito de liberdade de expressão de seu colega Ponça em sua página PRIVADA no Facebook":

    Logo no inicio da reunião, uma destacada ativista do TRE de Duque de Caxias-RJ transmitiu sua indignação e dos servidores da Baixada Fluminense acerca das manifestações pró-Dilma do Ponça.

    A partir dai, outros dois servidores de base tb se manifestaram, sendo que um deles da Justiça Federal de Nova Iguaçu propôs o seguinte: PUBLICACAO DE UMA NOTA SINDICAL QUE COMUNICASSE A NAO VINCULACAO DO SINDICATO DO RIO COM AS MANIFESTACOES POLITICAS DO COORDENADOR ROBERTO PONCIANO E O DEVIDO REPUDIO PELAS SUAS DECLARACOES DE APOIO A DILMA RUSSEF

    Pois bem... A oposição sindical, da qual faço parte, que se absteve de iniciar esse processo pelo conhecimento politico que temos e que evidenciava que se fôssemos nós os deflagradores se estabeleceria uma guerra em que a luta seria posta de lado ante a ferocidade da reação dos governistas, foi agradavelmente obrigada a se colocar ao lado dos ativistas de base.

    A proposta da direção foi: SOLICITAR AO PONCIANO QUE SE ABSTIVESSE DESSAS DECLARACOES (SOMENTE ISSO)

    Durante as manifestações dos diretores, houve uma corajosa e digna diretora aposentada que declarou "Ponciano é meu amigo, batemos muitos papos, mas nisso eu discordo dele. Estou inclusive muito constrangida com as cobranças que me têm sido feitas por suas declarações. Discordo que a pagina do Facebook seja privada, mas mesmo assim ele tem feito essas manifestações nas paginas de grupo que não são privadas".

    Fiquei extasiado com a independência de classe dessa senhora! De diretores com essa linha é que necessitamos para tocar nossa luta!

    Mas infelizmente a bizarra defesa de que o Ponça tinha o direito de se posicionar politicamente favorável ao governo Dilma foi defendido por todos os outros diretores (com exceção dessa diretora aposentada que votou com os ativistas de base da Baixada Fluminense e de uma diretora do TRE que se absteve). Inclusive, ironizaram o tempo inteiro com largos sorrisos, dizendo que "Ponciano está ficando a pessoa mais famosa do Brasil" , "Vamos passar por cima disso, o que interessa é nossa greve", "Deixa ele usar seu Face como ele quiser, olha a liberdade de expressão", "não podemos fazer nada, Ponciano está submetido ao coletivo da Fenajufe e não ao do sindicato"......

    Desnecessário é pontuar contra esses ineptos argumentos para eximir o colega de direções passadas e o principal quadro do sindicato e do PT de uma responsabilização devida.

    Por 15 x 9, venceu a inócua proposta de "Solicitar ao Ponça que se abstivesse da continuidade dessas manifestações" Isso por telefone, sem escritos, sem materialidade alguma....

    Comunico aos servidores do pais por convicção do direito à publicidade e interesse de classe do ocorrido já que o cidadão pró-Dima é simplesmente um dos defensores de nossas reivindicações!!!!
    anuvenzinha
    anuvenzinha
    Usuário Especial
    Usuário Especial

    Cargo : ANALISTA
    Mensagens : 1444
    Reputação : 214
    Data de inscrição : 19/12/2014

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por anuvenzinha Sex 24 Jul 2015, 8:24 pm


    CUT reescrevendo artigo:
    [Tens de ter uma conta e sessão iniciada para poderes visualizar este link]

    Rumo a vitória!
    PLC INTEGRAL
    avatar
    PJHUUUUuuuuu
    Usuário VIP
    Usuário VIP

    Cargo : Trampolim
    Mensagens : 3874
    Reputação : 14
    Data de inscrição : 20/05/2011

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por PJHUUUUuuuuu Sex 24 Jul 2015, 8:34 pm

    Dilma vai chamar oposição para reunião em busca de 'governabilidade'


    [Tens de ter uma conta e sessão iniciada para poderes visualizar este link]
    LAW-SC
    LAW-SC
    Usuário Sênior
    Usuário Sênior

    Mensagens : 348
    Reputação : 19
    Data de inscrição : 17/09/2013

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por LAW-SC Sex 24 Jul 2015, 8:34 pm

    16Toneladas escreveu:
    MPF SP escreveu:
    LAW-SC escreveu:[Tens de ter uma conta e sessão iniciada para poderes visualizar este link]


    Vou mandar um email enaltecendo a atitude dele e agradecendo o inestimável apoio!!!


    Ahhh se todo Juiz fosse assim, Wink



    Já enviei meu agradecimento.
    cheers cheers cheers cheers
    Adilson
    Adilson
    Usuário VIP
    Usuário VIP

    Cargo : Profeta do Apocalipse
    Mensagens : 1581
    Reputação : 11
    Data de inscrição : 19/07/2010
    Idade : 45

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Adilson Sex 24 Jul 2015, 8:36 pm

    DJANGO escreveu:
    rogcampinas escreveu:Reunião com governadores é? Vamos queimar o filme da anta junto aos governadores então. E também solicitar apoio à derrubada do veto. Já estou disparando e-mails

    ANEXANDO A CARTA ABERTA DO WILLIAM DOUGLAS.

    Chamando governadores de oposição,veja o nível de desespero, já está fraquejando ao ponto de chamar o inimigo pra sala com medo do veto affraid affraid affraid
    PCS-JA
    PCS-JA
    Usuário VIP
    Usuário VIP

    Mensagens : 2284
    Reputação : 134
    Data de inscrição : 15/05/2015

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por PCS-JA Sex 24 Jul 2015, 8:38 pm

    Adilson escreveu:
    DJANGO escreveu:
    rogcampinas escreveu:Reunião com governadores é? Vamos queimar o filme da anta junto aos governadores então. E também solicitar apoio à derrubada do veto. Já estou disparando e-mails

    ANEXANDO A CARTA ABERTA DO WILLIAM DOUGLAS.

    Chamando governadores de oposição,veja o nível de desespero, já está fraquejando ao ponto de chamar o inimigo pra sala com medo do veto affraid affraid affraid

    _____________
    Este tal de Mer - dal Pereira é um safado:

    Pressão de Lewandowski é irresponsável
    MERVAL PEREIRA
    22.7.2015 9h37m
    A atitude do presidente do STF, Ricardo Lewandowski, de pressionar o governo e o Congresso para o aumento dos servidores do Judiciário não é boa, beira a irresponsabilidade. Ao dizer que vai esperar a decisão do Senado sobre o veto da presidente Dilma ao aumento,assume uma atitude irresponsável. Ele está incentivando que o Senado derrube o veto da presidente. Isso não é papel que se faça.

    Veja o comentário da Globonews:

    [Tens de ter uma conta e sessão iniciada para poderes visualizar este link]
    RVMS
    RVMS
    Usuário Especial
    Usuário Especial

    Mensagens : 1355
    Reputação : 47
    Data de inscrição : 29/07/2011

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por RVMS Sex 24 Jul 2015, 8:39 pm

    GrevistaRio escreveu:Relato da decisão do comendo de greve do RJ quando a diretoria do Sisejufe defendeu o "direito de liberdade de expressão de seu colega Ponça em sua página PRIVADA no Facebook":

    Logo no inicio da reunião, uma destacada ativista do TRE de Duque de Caxias-RJ transmitiu sua indignação e dos servidores da Baixada Fluminense acerca das manifestações pró-Dilma do Ponça.

    A partir dai,  outros dois servidores de base tb se manifestaram, sendo que um deles da Justiça Federal de Nova Iguaçu propôs o seguinte: PUBLICACAO DE UMA NOTA SINDICAL QUE COMUNICASSE A NAO VINCULACAO DO SINDICATO DO RIO COM AS MANIFESTACOES POLITICAS DO COORDENADOR ROBERTO PONCIANO E O DEVIDO REPUDIO PELAS SUAS DECLARACOES DE APOIO A DILMA RUSSEF

    Pois bem...  A oposição sindical, da qual faço parte, que se absteve de iniciar esse processo pelo conhecimento politico que temos e que evidenciava que se fôssemos nós os deflagradores se estabeleceria uma guerra em que a luta seria posta de lado ante a ferocidade da reação dos governistas, foi agradavelmente obrigada a se colocar ao lado dos ativistas de base.

    A proposta da direção foi: SOLICITAR AO PONCIANO QUE SE ABSTIVESSE DESSAS DECLARACOES (SOMENTE ISSO)

    Durante as manifestações dos diretores, houve uma corajosa e digna diretora aposentada que declarou "Ponciano é meu amigo, batemos muitos papos, mas nisso eu discordo dele. Estou inclusive muito constrangida com as cobranças que me têm sido feitas por suas declarações. Discordo que a pagina do Facebook seja privada, mas mesmo assim ele tem feito essas manifestações nas paginas de grupo que não são privadas".

    Fiquei extasiado com a independência de classe dessa senhora! De diretores com essa linha é que necessitamos para tocar nossa luta!

    Mas infelizmente a bizarra defesa de que o Ponça tinha o direito de se posicionar politicamente favorável ao governo Dilma foi defendido por todos os outros diretores (com exceção dessa diretora aposentada que votou com os ativistas de base da Baixada Fluminense e de uma diretora do TRE que se absteve). Inclusive, ironizaram o tempo inteiro com largos sorrisos, dizendo que "Ponciano está ficando a pessoa mais famosa do Brasil" , "Vamos passar por cima disso, o que interessa é nossa greve", "Deixa ele usar seu Face como ele quiser, olha a liberdade de expressão", "não podemos fazer nada, Ponciano está submetido ao coletivo da Fenajufe e não ao do sindicato"......

    Desnecessário é pontuar contra esses ineptos argumentos para eximir o colega de direções passadas e o principal quadro do sindicato e do PT de uma responsabilização devida.

    Por 15 x 9, venceu a inócua proposta de "Solicitar ao Ponça que se abstivesse da continuidade dessas manifestações" Isso por telefone, sem escritos, sem materialidade alguma....

    Comunico aos servidores do pais  por convicção do direito à publicidade e interesse de classe do ocorrido já que o cidadão pró-Dima é simplesmente um dos defensores de nossas reivindicações!!!!

    Agora tem de ser pedido à FENAJUFE. O "revolucionário marxista" tem de arcar com o ônus das besteiras que escreve.
    Jud2
    Jud2
    Usuário Recente
    Usuário Recente

    Mensagens : 75
    Reputação : 6
    Data de inscrição : 03/06/2015

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Jud2 Sex 24 Jul 2015, 8:39 pm

    O congresso não vai pautar o veto antes desse acordo miserável que o Supremo quer fazer. Sendo assim, considerando o prazo para envio da proposta orçamentária, o STF nos pressionará a aceitar o acordo sob pena de ficarmos sem reajuste em 2016.

    Conteúdo patrocinado

    PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015 - Página 2 Empty Re: PCS - PL 7920/2014 - PLC 28/2015

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Qua 01 Dez 2021, 11:30 am